23 de março de 2013

TESTEMUNHOS Directos

Um corpo metido no cunhete...
.......
VER:
http://www.youtube.com/channel/UCQEfCOVWL4hkffBt_o-a4sA/videos?view=0&flow=grid

GUERRA COLONIAL PORTUGUESA 1961 - 1974

"ANGOLA - CEMITÉRIO JUNTO À IGREJA.
LADO A LADO SOLDADOS GUERRILHEIROS E COLONOS"

*DE NAMBUONGONGO A ZALA ( MISSÃO DIFÍCIL E PERIGOSA )*
.........Baptista foi o primeiro a dar um passo em frente. Depois dele mais 37 avançaram também. Já sobravam.
Lá foram cumprir a missão de combate, bem dramática por sinal.
O inimigo emboscado, à espera, tinha montado uma mina anti-carro, espécie de tacho grande de ferro com 5 Kg de explosivos lá dentro, comandada á distância por um fio:
Deu uns tiros na frente da coluna de viaturas, que pararam, puxou o fio e a mina explodiu com grande estrondo, destruindo a frente do jipão da Breda e fazendo um buraco com de 4 metros que cortava a picada de lado a lado.
O furriel Moreira, com a cara esfacelada, acabou por morrer no Heli a caminho de Luanda. Foi o Baptista que de fogo cerrado o arrastou para a valeta e que ajudou o cabo-enfermeiro a fazer-lhe o penso, numa tentativa de estancar a hemorragia da jugular.
Foi ele que descobriu pedaços de carne negros, espalhados por toda a aparte.
- Morreu um deles, meu capitão!
- Meta os pedaços que encontrar num cunhete de morteiro (caixa de madeira das granadas, já vazia). Conte lá o nosso pessoal.
- Estamos todos, meu capitão.
- Diga ao comandante do grupo de combate do Moreira para contar o pessoal dele e você volte a contar o nosso pessoal.
Apareceu daí a nada. Tinha encontrado pendurado no capim, pendendo sobre a picada, um pedaço de carne colado a um farrapo de camuflado com um botão.
- É nosso, meu capitão: Eles não têm camuflados.
- Pois é - disse o capitão.
Era o soldado Vieira, apontador da Breda, que tinha sido apanhado pela mina e os pedaços de carne estavam negros de queimados. Pegaram fogo ao capim encosta acima, taparam como puderam o buraco na picada, levantaram a frente do jipão que acorrentaram à traseira de uma GMC e, quando chegaram a Zala, já noite alta, o capelão rezou uma missa de corpo presente, com os restos do soldado Vieira que reuniram no cunhete.
O Baptista chorava amparado ao capelão e ao capitão Almeida Bruno do outro lado.
Na volta, no outro dia, tiveram nova emboscada. Ficou ferido, com um tiro numa perna, um soldado do Poço do Canto.
Chegados a Nambuangongo, enterraram os restos do Vieira, agora aconchegados num caixão, no cemitério, ao lado da Igreja.(ver imagem em cima, do Major Mendes Paulo).
...
Do livro de José Pais " HISTÓRIAS DE GUERRA - Índia Angola e Guiné Anos 60", excerto do capitulo "Baptista - um Combatente da Touça" paginas 51 e 52.


Realidades sofridas...
..............

Sem comentários:

Enviar um comentário