17 de abril de 2013

Em Mémória - Lembrar

..
Os principais homens de acção, lembram o camarada de armas José Nascimento, que se finou depois de grave doença. Em sua MEMÓRIA, publicamos estas imagens:



 
 
A Grande Acção, Cemitério de 100 campas simuladas,
nas comerações do dia 10 de Junho de 2008.
 
««««««««««««
 
Os Principais dinamizadores da campanha
pelo resgate para Portugal dos restos mortais
dos que ficaram abandonados em terras africanas.
«««««««««««««




Em cima, Momento da entrega da Petição na Assembleia da República - 2008.
...

29 de março de 2013

Sugestões da Petição

  VER link:
https://www.youtube.com/channel/UCq5OZYiMI8gWNV0iev8YnMw/videos

 
MOVIMENTO CÍVICO DE ANTIGOS COMBATENTES 
 
 
Mortos da guerra do Ultramar abandonados em África.
Não foram esquecidos pelos companheiros de armas.
Resgatemos os seus restos mortais para Portugal.
 
ANEXO À PETIÇÃO 
             
Recomendação à Assembleia da República

Esta recomendação do Movimento Cívico de Antigos Combatentes é feita no sentido de auxiliar os Senhores Deputados na reflexão e discussão da Petição agora apresentada, visando a transladação para Portugal dos militares portugueses mortos durante a guerra do Ultramar e sepultados nos territórios da Guiné-Bissau, Angola e Moçambique.

 Antecedentes
Programas da RTP, visitas de antigos combatentes aos cemitérios do ex-Ultramar, missões particulares de resgate de restos mortais de militares, feitas em nome das famílias, na Guiné-Bissau, Angola e Moçambique, relatos de violação e destruição dos túmulos, notícias e testemunhos de viajantes que denunciam o uso dos ossos dos soldados em tráficos indignos, despertaram a consciência dos antigos combatentes para o estado de deplorável abandono, destruição e falta de dignidade em que se encontram as campas dos militares portugueses que morreram em combate naqueles territórios e ali ficaram sepultados.

No sentido de acudir e dar dignidade àqueles que foram seus irmãos de armas durante o conflito colonial, os antigos combatentes organizaram-se num movimento cívico com a finalidade de alertar as autoridades portuguesas para este problema, e colaborarem com a Liga dos Combatentes no sentido de a ajudarem a encontrar soluções rápidas antes da destruição definitiva dos túmulos.

Reuniões com os responsáveis da Liga dos Combatentes: revelaram que a Liga não dispõe de recursos suficientes, financeiros e humanos, para realizar uma acção imediata e concertada que impeça o vandalismo, a destruição dos locais e dos restos mortais daqueles portugueses que tombaram combatendo por Portugal. A Liga dos Combatentes, nas palavras do seu presidente, nada mais pode fazer que dar apoio moral, o que, convenhamos, é muito pouco, e não é a verdadeira solução que precisamos encontrar rapidamente.

O que fazer
Das inúmeras reuniões e encontros dos antigos combatentes para discutir o que fazer, e perante as limitações manifestadas pela Liga dos Combatentes, emergiu o sentimento de que o abandono dos militares mortos em combate e do seu resgate para Portugal, é um problema de todos os portugueses, civis e militares, de toda a sociedade.

O modo encontrado no sentido de mobilizar os cidadãos e sensibilizar o Governo, tornando visível o problema do abandono, bem como as soluções a encontrar que viabilizem esta nobre causa, foi a recolha de milhares de assinaturas que dessem corpo a uma Petição a entregar à Assembleia da República.

Através dessa Petição, permitir que os Senhores Deputados possam discutir as soluções a encontrar e votem uma Proposta de Resolução dirigida ao Governo, visando transladar para junto das famílias, os filhos de Portugal que a guerra não permitiu que tivessem regressado.
 
À semelhança do que fizeram outras nações civilizadas, como a Itália, os EUA, a Austrália, o Canadá, a Espanha, a Zâmbia e a Tanzânia, os seus governos, com a colaboração e o envolvimento directo dos responsáveis militares e das suas organizações de veteranos, foram aos campos de batalha recuperar os restos mortais de muitos dos seus soldados, trazendo-os de volta para os seus países, mesmo que essa busca e recolha se tivessem prolongado por dezenas de anos. 

O mapa dos mortos
Segundo os números divulgados pela Liga dos Combatentes – que estão em permanente actualização e, portanto, não são definitivos – Portugal sofreu durante a guerra colonial entre 1961/1975, cerca de 9500 baixas. Cerca de metade estão sepultados nas zonas de combate. São cerca de 3715 os militares que têm estado a ser alvo de acções de localização e identificação. A Liga calcula que em Angola e Moçambique estejam cerca de 3000 combatentes sepultados, na Guiné-Bissau cerca de 800. Estima-se que cerca de 40% sejam do recrutamento metropolitano e 60% do recrutamento local. 
Deste mapa, importa clarificar as seguintes situações: há casos em que se conhecem as localizações dos corpos sepultados, e onde não se conhece. Nas localizações conhecidas, há militares que estão identificados (a minoria) e os que não estão identificados. Em ambos os casos, identificados e não identificados, estão sepultados militares do recrutamento metropolitano (a minoria) e militares do recrutamento local. 

A Revista “COMBATENTE”, órgão de informação da Liga dos Combatentes, na edição de Dezembro de 2007, fornecia a seguinte informação, quanto a "Identificados/Localizados", referindo-se apenas aos militares de recrutamento metropolitano: Guiné 150; Angola 586; Moçambique 288. Os termos "Identificado/Localizado" deveria corresponder a saber-se qual é a campa de cada localizado. Mas não. Corresponde apenas a saber em que cemitério está sepultado. Há muita imprecisão nos números. 

Proposta de acção
O Movimento Cívico de Antigos Combatentes pretende que sejam criadas equipas técnicas para exumação e transladação dos restos mortais dos militares. Essas equipas, formadas por especialistas, devem permanecer no terreno, a tempo inteiro, até à total resolução do problema. 

As equipas técnicas devem instalar-se na Guiné-Bissau, Angola e Moçambique, agindo de acordo com protocolos obtidos com celeridade entre o Estado português e as autoridades desses países, trabalhando rapidamente, antes que nada haja para recuperar. E devem fazê-lo segundo um plano composto pelas seguintes fases: 

1.      Aos militares localizados e identificados pela Liga dos Combatentes, deve agir-se de imediato (prazo máximo de 1 ano após a aprovação da Proposta de Resolução), recuperando e transladando os seus restos mortais. 

      Destes, os que são do recrutamento metropolitano, devem trazer-se para Portugal e entregá-los às famílias que os queiram receber. Se porventura houver famílias que os não desejem, deverão ser sepultados num cemitério a designar pela autarquia de onde eram naturais. As autarquias estão prontas para o fazer e colaborar. 

      Os militares do recrutamento local, deverão ser concentrados num cemitério, de preferência na capital ou numa cidade importante da Guiné-Bissau, de Angola e de Moçambique. Nesses cemitérios deve ser criado um espaço próprio com a maior dignidade para honrar a sua memória. Nesses espaços, o Estado português deverá providenciar, através das embaixadas de Portugal, a regular gestão e manutenção, para que não mais se repitam as degradantes situações anteriores.  

      Chamamos a atenção dos Senhores Deputados, de que há muitas campas onde ainda se podem ver os nomes dos aí inumados. Mas as referências estão a perder-se a cada dia que passa. É urgente ir levantar essas ossadas, perguntando às famílias se querem a transladação. Para realizar este trabalho não há necessidade de técnicos, apenas de testemunhas. As famílias até poderiam ir testemunhar, se o quisessem, mas à sua custa.  

      A operação de recolha das ossadas e transporte para Portugal, dado não necessitar de técnicos para a sua execução, é um trabalho que pode ser feito rapidamente, com relativa facilidade, e um custo baixo. A experiência das exumações particulares realizadas em nome das famílias, apontam nesse sentido. É um custo insignificante para o Estado português, e permitirá a reparação parcial de uma injustiça. 

      Fazendo-a de imediato, ainda podemos consolar muitas famílias que aguardam há décadas o regresso dos seus filhos. No passado, todos cometemos erros e omissões, mas ainda vamos a tempo de os minimizar, se agirmos sem demora. 

2.       Os militares localizados e não identificados, devem ser exumados (prazo máximo de 2 anos após a aprovação da Proposta de Resolução), e transladados. No momento da exumação, pela análise local dos ossos, os técnicos podem determinar os que são africanos e caucasianos.
      Destes, os que forem identificados como caucasianos (recrutamento metropolitano), deverão ser transladados para Portugal e sepultados num cemitério a designar, num espaço da maior dignidade, à semelhança do que foi feito com a transladação dos presos que morreram no campo de concentração do Tarrafal. 

      Aos militares que os técnicos identifiquem como africanos, (recrutamento local) deverá ser dado um tratamento semelhante aos metropolitanos, mas no cemitério de cada um dos três territórios, gerido e mantido pelo Estado português, no espaço digno, preservado, onde já foram sepultados os militares identificados. 

3.     Para os militares desaparecidos e não localizados, a Liga dos Combatentes deve constituir uma equipa especializada, a tempo inteiro, que desenvolva um trabalho de pesquisa nos três territórios, visando a localização e identificação das campas desses militares. Quando a sua localização e identificação se concretizar, deve proceder-se de acordo com o previsto nos números 1) e 2).   

Colaboração da sociedade civil
Em Março de 2008, as organizações de pára-quedistas antigos combatentes, em colaboração com a Liga dos Combatentes, montaram uma missão para exumar e transladar para Portugal, três dos seus camaradas que caíram em combate e ficaram sepultados em Guidaje, na Guiné-Bissau.
A realização desta missão permitiu obter um conjunto de experiências em que, para além do envolvimento directo de militares no planeamento, execução e realização de cerimónias, pôs em evidência a disponibilidade das organizações da sociedade civil que, de modo gracioso ou a baixo custo, colaboraram no regresso a casa destes militares portugueses, entregando-os às famílias – comovidamente reconhecidas – nas suas terras de origem. 

De realçar a colaboração da TAP no transporte de Bissau para Lisboa das caixas com os restos mortais, e da Associação das Empresas Lutuosas que realizou os funerais para as diferentes localidades do país. Ambas, realizaram estes transportes a título gracioso, mostrando como a sociedade civil se pode envolver nestes actos, honrando a memória destes portugueses caídos em combate. Esta experiência mostrou que algo de semelhante pode ser feito para transladar todos os outros militares caídos durante o conflito colonial. 

Ponto importante
O Movimento Cívico de Antigos Combatentes acredita que a Assembleia da República e o Governo, órgãos representativos do Povo português e da democracia, saberão encontrar as rápidas respostas que conduzam à exumação e transladação para os locais dignos, propostos no Plano que aqui apresentamos.
Temos a certeza que o sentido da honra e do dever das autoridades portuguesas não deixará ficar ao abandono e no esquecimento esses outros portugueses que já não têm voz, que apenas falam e exigem que os honrem e os respeitam pela voz e pela vontade daqueles que foram seus irmãos de armas, que combateram ao seu lado, que viveram junto de si e os viram morrer.

Mas o Movimento Cívico de Antigos Combatentes está determinado a não permitir que, numa aparência de alguma coisa se querer fazer, não o fazendo, ou não o fazendo em nome da falta de meios humanos e financeiros, está determinado a tomar em mão, a iniciativa de trazer, para Portugal e para locais dignos nos outros territórios, os militares que morreram lutando por Portugal.  

Se o Estado português não for capaz de realizar, nos prazos indicados, o que as outras nações fizeram, trazendo para casa, para as suas famílias, os seus mortos caídos no campo de batalha, o Movimento Cívico de Antigos Combatentes mobilizará a sociedade civil e as organizações de cidadãos para intervirem directamente com todos os meios que conseguirem reunir. Os homens que combateram em África saberão organizar-se para ir directamente aos cemitérios e baldios, a todos os locais onde haja corpos de portugueses, para resgatá-los da indignidade e trazê-los para casa, honrando a sua memória.
 
Lisboa, A.R. – 22 de Janeiro de 2009  

 Movimento Cívico de Antigos Combatentes
«««««««««««««««««««««««««««
 
Como é sabido, já lá vão 4 anos, desde que a Assembleia da República aprovou uma "Recomendação" ao Governo... até hoje continua tudo como dantes! Ao rítmo do "faz de conta" da Liga dos Combatentes!
 
....................
 

25 de março de 2013

HOMENAGEM

 
 
Vejam o link:


HOMENAGEM  AOS  HEROICOS  SOLDADOS PORTUGUESES

Uma homenagem a todos aqueles que se bateram por uma Bandeira e por províncias Portuguesas, dando suor, lágrimas e sangue por um Portugal que hoje não existe mais.

Soldado, estas páginas são tuas.

Somente tu a escreveste, galgando serrarias, desbravando matagais, dormindo à luz de estrelas.

Trilhaste os duros caminhos.

Pela tua coragem  e pelo teu heroismo tu ficarás na história como exemplo de todos aqueles que pela pátria lutaram e seus campos regaram de sangue e de suor.

Lutaste por um Portugal de ontem - diziam que desde onde o sol morria até onde ele despontava era Portugal.

Foste traído, espoliado e esta geração de governantes não te respeita.

Nós não deixaremos abrandar a vigilância um só momento, até teres o reconhecimento merecido e teu passado dignificado.

Venho-te dizer que não estás abandonado. Há mais alguém que pensa em ti, está contigo e te agradece

 AVM – Arquivo Vivo de Moçambique
 
««««««««««««««««««««««««««
Na verdade, continuamos a ser traidos e espoliados...
 

23 de março de 2013

TESTEMUNHOS Directos

Um corpo metido no cunhete...
.......
VER:
http://www.youtube.com/channel/UCQEfCOVWL4hkffBt_o-a4sA/videos?view=0&flow=grid

GUERRA COLONIAL PORTUGUESA 1961 - 1974

"ANGOLA - CEMITÉRIO JUNTO À IGREJA.
LADO A LADO SOLDADOS GUERRILHEIROS E COLONOS"

*DE NAMBUONGONGO A ZALA ( MISSÃO DIFÍCIL E PERIGOSA )*
.........Baptista foi o primeiro a dar um passo em frente. Depois dele mais 37 avançaram também. Já sobravam.
Lá foram cumprir a missão de combate, bem dramática por sinal.
O inimigo emboscado, à espera, tinha montado uma mina anti-carro, espécie de tacho grande de ferro com 5 Kg de explosivos lá dentro, comandada á distância por um fio:
Deu uns tiros na frente da coluna de viaturas, que pararam, puxou o fio e a mina explodiu com grande estrondo, destruindo a frente do jipão da Breda e fazendo um buraco com de 4 metros que cortava a picada de lado a lado.
O furriel Moreira, com a cara esfacelada, acabou por morrer no Heli a caminho de Luanda. Foi o Baptista que de fogo cerrado o arrastou para a valeta e que ajudou o cabo-enfermeiro a fazer-lhe o penso, numa tentativa de estancar a hemorragia da jugular.
Foi ele que descobriu pedaços de carne negros, espalhados por toda a aparte.
- Morreu um deles, meu capitão!
- Meta os pedaços que encontrar num cunhete de morteiro (caixa de madeira das granadas, já vazia). Conte lá o nosso pessoal.
- Estamos todos, meu capitão.
- Diga ao comandante do grupo de combate do Moreira para contar o pessoal dele e você volte a contar o nosso pessoal.
Apareceu daí a nada. Tinha encontrado pendurado no capim, pendendo sobre a picada, um pedaço de carne colado a um farrapo de camuflado com um botão.
- É nosso, meu capitão: Eles não têm camuflados.
- Pois é - disse o capitão.
Era o soldado Vieira, apontador da Breda, que tinha sido apanhado pela mina e os pedaços de carne estavam negros de queimados. Pegaram fogo ao capim encosta acima, taparam como puderam o buraco na picada, levantaram a frente do jipão que acorrentaram à traseira de uma GMC e, quando chegaram a Zala, já noite alta, o capelão rezou uma missa de corpo presente, com os restos do soldado Vieira que reuniram no cunhete.
O Baptista chorava amparado ao capelão e ao capitão Almeida Bruno do outro lado.
Na volta, no outro dia, tiveram nova emboscada. Ficou ferido, com um tiro numa perna, um soldado do Poço do Canto.
Chegados a Nambuangongo, enterraram os restos do Vieira, agora aconchegados num caixão, no cemitério, ao lado da Igreja.(ver imagem em cima, do Major Mendes Paulo).
...
Do livro de José Pais " HISTÓRIAS DE GUERRA - Índia Angola e Guiné Anos 60", excerto do capitulo "Baptista - um Combatente da Touça" paginas 51 e 52.


Realidades sofridas...
..............

HONRAR A PÁTRIA!


Sim, Honrar a Pátria... que os governantes desonram!

 
HONRAI A PÁTRIA, QUE ELA VOS COMTEMPLA!
 Os anos vão passando... as memórias vão-se diluindo... as forças já vão faltando e muitos de nós já desapareceram na poeira das recordações, cumprida que foi a sua passagem pela terra! Sim! Muitos daqueles que connosco cumpriram missão de soberania na defesa de um ideal chamado Pátria Portuguesa de Além Mar, já não pertencem ao mundo dos vivos, sem que a Pátria houvesse reconhecido qual o papel que vieram a desempenhar no suster do holocausto que estava a ser perpetrado pelas forças que então combatiam os Portugueses e que pretendiam alcançar a sua independência, o que reputo como um direito inalienável... se excluídos os massacres contra seres indefesos como eram os velhos, as mulheres e as crianças, que foram chacinadas naqueles terríveis tempos de Março de 1961 e seguintes.
Depois das independências dos territórios onde flutuou a Bandeira de Portugal por mais de 5 séculos, julgo que deveria ter chegado o momento de ser reconhecido o esforço do Soldado Português de Terra, Ar e Mar, que por lá verteu sangue, suor e lágrimas - citando Winston Churchill - para que os outros vivessem!
É triste que em todo o mundo, na celebração do fim da I Guerra Mundial, os Combatentes sejam recordados no "Dia da Memória", que homenageia todos aqueles que pereceram nas várias guerras desencadeadas depois desse conflito.
A França e a Alemanha, que se digladiaram nesta guerra, uniram-se para honrar os seus mortos, como o fazem o Reino Unido, a Bélgica... os Estados Unidos, o Canadá ou a Rússia!
 Mas Portugal... parece que apenas se lembrava de ter participado na 1ª. Guerra Mundial enquanto havia Combatentes vivos, porque agora até parece envergonhar-se de haver participado na guerra, retirando algum brilho às cerimónias, conforme se nota nos últimos tempos.
É uma pena... mas em Portugal parece que as autoridades pretendem votar ao ostracismo aqueles nossos Soldados que morreram no Ultramar... e o mesmo se pode constatar em relação aos que ainda hoje sofrem na carne as profundas cicatrizes adquiridas na sua estadia no teatro de operações em África.
Antigamente havia o culto dos heróis, que se realizava a 10 de Junho - Dia de Portugal, mas hoje não os recordamos, em termos oficiais, porque os políticos sentem que não são eles dignos de ser honrados! Faz-se o Dia de Portugal e de Camões, mas os Combatentes do Ultramar são ignorados! Apenas as Associações de Combatentes vão remando contra a maré e tentam que eles não sejam esquecidos, fazendo uma cerimónia junto ao Monumento que os perpetua!
........................................................ 
No dizer da Jornalista Isabel Stilwell, em editorial do Jornal Destak, "EM PORTUGAL RECORDAMOS POUCO E TEMOS UMA DIFICULDADE ENORME EM FALAR DOS NOSSOS SOLDADOS MORTOS NO ULTRAMAR, OU QUE AINDA HOJE SOFREM SEQUELAS PROFUNDAS DAQUELES COMBATES. QUANDO NÃO RECORDAMOS, NÃO HOMENAGEAMOS AQUELES QUE DERAM A VIDA PELO SEU PAÍS, ROUBAMOS SENTIDO À DOR E TRAÍMO-LOS. OS COMBATENTES EM ÁFRICA, POR FORÇA DE UM VOLTE-FACE POLÍTICO, NÃO TIVERAM DIREITO A SER TRATADOS COMO HERÓIS! FOMOS INCAPAZES DE DISTINGUIR A JUSTEZA DA GUERRA (E HÁ ALGUMA QUE O SEJA?) COM A GENEROSIDADE DE QUEM CUMPRIU O SEU DEVER. E UM PAÍS QUE NÃO É CAPAZ DE RECORDAR É, PARADOXALMENTE, UM PAÍS SEM FUTURO."
Ninguém poderá deixar de estar de acordo, acredito!
 
O meu bem-haja aos que ainda atiram pedras para o charco da memória dos que perdem as memórias - governantes e Liga dos Combatentes! Joaquim Coelho


27 de fevereiro de 2013

Então, e a Liga dos Combatentes?


 
 

Link a visitar:
 http://www.youtube.com/channel/UCQEfCOVWL4hkffBt_o-a4sA/videos?view=0&flow=grid   - Videos sobre o RESGATE dos restos mortais.

Meus caros Amigos Veteranos,
Já não é de hoje que a Liga dos Combatentes engana os bons portugueses, especialmente os companheiros de armas dos que "ficaram para trás", abandonados nos locais estranhos da selva africana.
Faço parte do Movimento Cívico de Antigos Combatentes que reuniu mais de 17 mil assinaturas e levou à Assembleia da República uma petição que seguiu os seus trâmites e foi aprovada uma Resolução dirigida ao Governo com a recomendação de serem tomadas medidas concretas e rápidas para resgatar para Portugal os restos mortais dos combatentes que ficaram em África, referindo ainda que deveriam ser tidas em conta as recomendações definidas nos documentos do Movimento Cívico de Antigos Combatentes e os pareceres da Liga dos Combatentes.

Desde esse debate na AR já passaram oito meses e, até hoje, nada nos foi comunicado sobre o tema. Mas, contrariamente ao plano que apresentámos, devidamente fundamentado, a Liga continua a gastar muitos milhares de Euros em deslocações, estadias e benesses às autoridades locais, sem que se veja utilidade nos trabalhos que vão fazendo.

Alguns dos membros do Movimento deslocaram-se a diversos cemitérios e locais com grupos de campas conhecidos e confirmaram a existência de muitas sepulturas com identificação dos sepultados, tendo as populações manifestaram desejo e interesse em ajudar a levantar as ossadas para desocupar os espaços. O tempo está a degradar os locais e, ao ritmo de trabalho da Liga dos Combatentes, em pouco tempo pouco haverá para levantar.
Não temos dúvidas de que estamos perante uma orientação política no sentido de deixar estar tudo como está, e as missões das equipas da Liga vão continuar a gastar os dinheiros do orçamento que bem aplicado, daria para transladar os restos mortais dos cerca de 2.300 combatentes metropolitanos. São mais de 100 mil euros anuais que a Liga gasta, veja-se aonde!
Para nosso espanto, vimos que o Primeiro-Ministro depositou uma coroa de flores no monumento aos heróis moçambicanos... e nem sequer se dignou visitar o cemitério  de Maputo, onde repousam mais de cem militares portugueses? Mais uma afronta e nota de desprezo para com os antigos combatentes e os seus familiares.

Saudações do Joaquim Coelho, combatente em Angola e Moçambique


---------- Mensagem encaminhada ----------
Data: 7 de março de 2010 03:45
Assunto: "missões de resgate" da Liga dos Combatentes

Nota Explicita:

Na Guiné-Bissau, tal como todas as anteriores, a 5ª Missão de "Resgate de Corpos" – ontem concluída –, esteve sob total e exclusiva responsabilidade da Liga dos Combatentes, cuja direcção-central continua a ser presidida pelo tenente-general Joaquim Chito Rodrigues.
Ora, a equipa de arqueólogos, desde início coordenada pela antropóloga forense Eugénia Cunha [que em tempo pretendeu executar testes de ADN aos restos mortais do Rei Dom Afonso Henriques... !], contratada que foi por aquele Liga – e ressarcida por dinheiros públicos –, obviamente só fez o que lhe mandaram fazer.

E que disse, no pretérito 18 de Fevereiro – dias antes de viajar novamente "para o terreno" –, a referida antropóloga-chefe?:
1. – «Disse à Agência Lusa que esta quinta missão que realiza na Guiné-Bissau para resgate de corpos torna-se mais complexa do que as anteriores por se tratar de uma vala comum e não se saber como nela foram depositados os corpos. “É uma incógnita”, referiu, afirmando que nesta vala em Cheche devem estar “não mais de 15 ou 17” corpos, de acordo com testemunhos recolhidos. Em Novembro de 2009 foi realizada uma prospeção geofísica no local onde agora será escavada a vala, que poderá trazer outras surpresas em termos de conservação, por se encontrar numa zona húmida próxima do rio Corubal.»

E que disse, também no mesmo dia 18, o supra mencionado oficial-general?:
2 – «No entendimento do general Chito Rodrigues, na zona de Cheche poderão encontrar-se “oito ou nove” restos mortais, porque se trata de uma zona junto ao rio, cujas margens são hoje diferentes, tendo sofrido o efeito da erosão ao longo dos anos, e por essa razão alguns poderão já ter-se perdido.»

E que mais ficámos a saber, também naquele dia 18, pela voz da mediática antropóloga?:
3. – «Eugénia Cunha disse que esta poderá ser a última missão que realiza na Guiné-Bissau se não forem identificados outros locais onde se encontrem restos mortais de combatentes».

CONTINUAÇÃO  - Liga dos Combatentes:
Porém, quanto a perplexidades e incongruências, não ficamos por aqui.
Leiam-se outras tantas, anteriores:

A. – Em 03Abr2009, portanto, há quase um ano e por intermédio do jornal DN, ficámos a saber que o coronel Sebastião Afonso Ribeiro Goulão, «chefe da equipa da LC» e responsável pela segurança dos antropólogos [...], adiantou que "foi também localizada a zona da margem do rio Corubal onde, possivelmente, está uma vala comum com [mais] 45 corpos" de combatentes lusos. Mas "por falta de segurança, não fizemos uma investigação" aprofundada.»

B. – Naquele mesmo dia e por intermédio do portal UTW, também ficámos a saber que a ilustre Liga dos Combatentes foi publicamente interpelada, no sentido de explicar «detalhadamente, qual o motivo pelo qual se vêm lançar, por intermédio da imprensa escrita, infundadas expectativas às famílias dos malogrados militares que pereceram no dia 6 de Fevereiro de 1969», sendo certo que «tanto quanto é de conhecimento público, mas muito especialmente das entidades oficiais que ao tempo [06Fev69 e período imediatamente subsequente] trataram do assunto 'in loco', como em particular a informação veiculada aos familiares dos militares mortos por afogamento na travessia do Corubal junto ao Cheche, cada um dos "47 corpos" foi - e continua a estar - dado como "não recuperado"».

C. – Ora, entre 16 e 21 do recente Novembro, e sem que entretanto a
direcção-central da Liga houvesse prestado os devidos esclarecimentos públicos, junto à margem norte de um troço não identificado do Corubal – por onde o técnico Helder Hermosilha, sustentado em "lendas e narrativas" de autoria dos actuais poderes (de cá e de lá), andou a passear o seu geo-radar em busca de... [salvo o devido respeito!] ... gambozinos? –, segundo o relatório final daquela "4ª Missão de Resgate", «foi realizada a identificação de um local de inumação de algumas das vítimas no Che-Che».

D. – Por último, mas não menos importante, em 02Mar2010, somos informados, por intermédio do blogueforanada dos "Camaradas da Guiné":
«poderá ser a última missão que realiza na Guiné-Bissau se não forem identificados outros locais onde se encontrem restos mortais de combatentes»?!
Então, e os restos mortais dos 20 [vinte] militares de recrutamento metropolitano, que ficaram sepultados nos cemitérios de Bafatá e de Bambadinca??!!

Posto o que nos resta tristemente confirmar, que a actual direcção-central da Liga dos Combatentes persiste: em desrespeitar a memória dos mortos; em manipular o luto dos vivos, muito especialmente os familiares dos militares que morreram no cumprimento do dever; e em "gozar c'a tropa"... significada nos veteranos camaradas-de-armas, tanto directos como indirectos.

Em resumo, além da notória exorbitância de funções já demonstrada em antecedentes e variadas circunstâncias, o actual presidente da Liga dos Combatentes prevarica quanto ao 'munus' daquela instituição, singularmente representado no objectivo estatutário: «Honrar os Mortos, Cuidar dos Vivos».

Por tudo quanto antecede, e muito mais, sugiro que os veteranos de guerra e suas famílias, mas muito particularmente os associados daquele vetusta e nobre Instituição de Utilidade Pública, se pronunciem publicamente e por todos os meios que entendam adequados, no sentido de ser levada a efeito uma expedita «Missão de Resgate da Liga».


Cordialmente, (um associado, e activo colaborador, que foi, da Liga dos Combatentes,
entre 01Jan1994 e 02Jul2007)
...

30 de janeiro de 2013

COMBATENTES... MORTOS E ABANDONADOS

...

 É URGENTE RESGATAR...

... o que resta dos nossos camaradas mortos e abandonados nas terras ultramarinas. Para reflexão e cuidado dos que ainda sentem uma réstia de patriotismo e vontade de restaurar a dignidade dos Combatentes:
 
Porque ficaram para trás?


  COMBATENTES MORTOS E ABANDONADOS
       Quando os poderes instalados nos diversos patamares da governação do país fingem desconhecer o sofrimento das centenas de milhar de traumatizados pelos efeitos dos dramas vividos na guerra colonial, é tempo dos Combatentes mostrarem a sua indignação e protestarem activamente. Estamos fartos de pantominas nas coisas sérias.
 
Nas matas de Guilege
 
       São cada vez mais evidentes as acções políticas no sentido de amordaçar e desprestigiar os cidadãos portugueses, reduzindo-os a simples máquinas de trabalho ao serviço dos interesses malignos da globalização. Tudo isso põe em causa os valores patrióticos pelos quais os Combatentes deram o melhor da sua juventude ao serviço da Pátria; como vão perdendo o medo de recordarem o negrume de muitos dias de carências de toda a ordem, já se afoitam a atirar algumas pedras contra o charco da ingratidão a que foram votados. Integrados na sociedade pós-descolonização e, apesar dos seus dramas pessoais, trabalhando na qualidade de assalariados, empresários ou emigrantes, fizeram-no com o sentido de contribuir para um Portugal melhor. Agora, é tempo de combater todas as injustiças que os atingem só por causa de terem sido “os melhores homens da Pátria”, em determinado período da história contemporânea.
 
Esquecidos...
 
       Estamos certos de que alguns elementos da sociedade que nos acusaram de todos os males que a descolonização lhes tenha causado são os mesmos “colonos bacocos” que nos hostilizaram enquanto combatentes, ignorando a força dos “ventos da história” que mudou as relações entre os povos. Até já lançaram a atoarda de que a questão do regresso dos mortos divide os combatentes vivos; os que aceitam que os restos mortais dos nossos companheiros continuem em terras “estrangeiras” devem fazer parte do lote dos cobardes, desertores e traidores à pátria ou ignoram que a dignidade duma Nação está na forma como trata os seus mortos em combate.  
 
desolação... pela nação!  


      Mas, a razão suprema da nossa indignação é saber que os dirigentes da Liga dos Combatentes, à semelhança dos governantes, continuam a tratar os combatentes mortos e abandonados, em cemitérios provisórios e campas degradadas, como os restos mortais dos seres mais reles e indignos da nação. A missão empreendida, por um grupo de “antigos combatentes” e a União Portuguesa de Pára-quedistas, para trazer de volta à Pátria e aos respectivos familiares os “mortos de Guidage-Guiné” trouxe ao conhecimento público a vergonhosa acção da Liga dos Combatentes. Primeiro, usou de diversos artifícios para abortar a missão, incluindo a chantagem diplomática; depois, aproveitou o dinheiro angariado por esse “grupo de combatentes e amigos” para tratar da trasladação ao seu modo: viagens e mais viagens e muita burocracia. Há dois anos que andamos com este caso e não sabemos quando os restos mortais desses combatentes chegarão à terra das suas famílias.

       Sabemos que, as centenas de milhares de Euros orçamentadas anualmente para a Liga dos Combatentes, vão sendo gastas em viagens “turísticas” às terras de África. Os Boletins da Liga dão conta de algum “trabalho” em prol dos cemitérios… Mas os testemunhos dos combatentes que tiveram condições para visitar “as terras onde perderam muitos dos sonhos da sua juventude” demonstram o inequívoco abandono e total degradação dos locais onde ficaram “os nossos companheiros mortos”. “A LIGA NÃO ESQUECE!”, mas gasta o dinheiro sem resultados.

 

       Esses senhores não estão interessados em dignificar os Combatentes, e muito menos trazer de volta os que “ficaram para trás”. A sua filosofia dava para rir, se não fosse tratar de causas muito sérias. A ideia manifestada por um senhor General, dirigente da Liga dos Combatentes, sobre o “turismo da memória” é mais uma afronta aos que lutaram e morreram ao serviço da Pátria e um escárnio à dor das famílias que os perderam. Os poucos que têm condições económicas para visitar as terras onde combateram não vão lá em “turismo de memórias” mas para acertar algumas contas com um passado que deixou marcas psíquicas profundas. Só que, ao verem o abandono a que foram votados os seus companheiros mortos, sentem um arrepio de revolta contra tal situação.
 
 
 
       Outra ideia desajustada e infeliz é a de que devem ser exumados os restos mortais e transportados para cemitérios centrais; ou seja, ficam sempre em “território estrangeiro”. A ignorância das realidades da guerra colonial – guerra de guerrilha – está na cabeça dos que afirmam que se deve “honrar os mortos enterrando-nos no campo de batalha”. É utópico pensar-se que a África é a Europa e que o espaço onde se desenrolaram as batalhas das “guerras mundiais” se pode comparar à selva, matas e savanas onde aconteceram as escaramuças (emboscadas, flagelações de fogo, rebentamento de minas e outras formas de combate). Essa realidade está nos cemitérios centrais, como Luanda e Maputo (Lourenço Marques), completamente vandalizados e destruídos. Quando sabemos que as lápides das campas dos “nossos combatentes” são vendidas como troféus no “mercado do Roque Santeiro” de Luanda e que as sessões de “magia negra” são realizadas no que resta desses locais sagrados, só podemos manifestar a nossa repulsa pela política e regras que são o mais retrógrado no tratamento do repatriamento dos mortos que ficaram abandonados. É ponto de honra para uma Nação civilizada entregar os mortos em combate às suas famílias; quem negar isso, está a usurpar um sagrado direito de sangue.
 
 
Companheiros, o desgaste das nossas vidas é um factor com o qual os responsáveis da governação contam para que tudo continue como está – abandonado. Só que não percebem que ainda temos forças para mostrarmos porque “fomos os melhores homens da Pátria”. Não podemos continuar a ser enganados, vejam o que diz a Liga dos Combatentes quanto a objectivos: no que respeita a África, está tudo em lastimável abandono e degradação.
 
destruição... vergonhoso abandono
 
Numa deslocação a terras africanas, alguns membros do “Movimento Cívico de Antigos Combatentes”, tiveram o cuidado de falar com as autoridades locais, civis e militares, onde estão cemitérios de combatentes abandonados – todos eles estranham que ainda não se tenha feito a trasladação dos restos mortais dos “nossos mortos” para Portugal. É coisa que eles já fizeram com combatentes de outros países. Mostram-se colaborantes no trabalho de exumar esses restos mortais, incluindo a logística para o embarque com destino a Portugal. Por outro lado, essas autoridades estão a ser pressionadas pelas populações para tomarem posse das terras onde estão as campas dos soldados portugueses. Os responsáveis da Liga nem sequer têm em conta as diferenças culturais sobre a veneração dos mortos.
Com membros da Associação de Combatentes de Moçambioque
 
Cte dos Comandos de Moçambique
SOLUÇÕES:

É tempo de unir os combatentes para acabar, de uma vez por todas, com a ineficácia das acções da Liga dos Combatentes, exigindo aos governantes que o dinheiro das dotações orçamentadas seja gasto no tratamento sério do problema dos que “ficaram para trás”. Sem preciosismos inadequados para as pesquisas forenses, poder-se-á resolver a questão de duas maneiras:
1 – Exumar e entregar às respectivas famílias os restos mortais que estão em campas identificadas – há muitas campas com os nomes escritos e existem croquis arquivados.
2 – Depositar em campa comum, junto ao Monumento aos Combatentes-Belém, os que não têm qualquer identificação nem constem nos croquis arquivados.
Entretanto, se alguma família fizer questão dos exames de ADN, serão tratados caso a caso e às suas custas.
Se continuamos neste engano do “faz de conta”, além de prolongarmos a dor que abala os familiares e os companheiros de jornada, estamos a pactuar com uma vergonhosa acção de esquecimento das nossas memórias. Os actuais dirigentes da Associação dos Veteranos de Guerra já deram provas do seu empenho e seriedade com que tratam este e outros problemas que afectam o bem-estar dos combatentes. Com o empenho de todos, mantemos a esperança de que Portugal será o local de repouso dos que se bateram e morreram nas guerras ultramarinas.
 
cemitério descapinado em 2005 
 
sinais do abandono
Por:
Joaquim Coelho, combatente em Angola, por obrigação... em Moçambique, por imposição.
...